Saiba como surgiram os primeiros cães da raça Pug

Saiba como surgiram os primeiros cães da raça Pug

Fizemos um post especial para que você saiba como surgiram os primeiros cães da raça Pug.

A princípio, os pugs se originaram na China, datando da dinastia Han (206 a.C. a 200 d.C.).

Afinal, eles eram apreciados pelos imperadores da China e viviam em acomodações luxuosas, protegidos por soldados.

Origem da Raça Pug

Alguns historiadores acreditam que os cães da raça Pu estão relacionados a raça Mastiff tibetano.

Já há quem diga que os famosos “Foo Dogs” da China são representações do antigo Pug.

Todavia, há evidências de cães semelhantes aos Pugs encontradas no antigo Tibete e no Japão.

Primordialmente, nos anos 1500 e início dos anos 1600, a China começou a negociar cães da raça Pug com países europeus.

Alegadamente, os primeiros Pugs trazidos para a Europa vieram com os comerciantes holandeses.

Dessa forma, os pugs teriam sido batizados de Mopshond, um nome ainda usado hoje.

Saiba como surgiram os primeiros cães da raça Pug na Europa

Em tempo, os Pugs rapidamente se tornaram os favoritos das famílias reais em toda a Europa.

Por exemplo, na Holanda, o Pug se tornou o cão oficial da Casa de Orange, visto que um Pug salvou a vida de William, príncipe de Orange.

Posteriormente, quando William de Orange (mais tarde chamado William III ) foi para a Inglaterra em 1688 com sua esposa, Maria II, para tomar o trono de Tiago II, eles trouxeram seus Pugs com eles.

Sabe-se que os pugs pretos existiam na década de 1700 porque o famoso artista William Hogarth era um entusiasta dos Pug.

A saber, ele retratou um Pug preto e muitos outros em suas pinturas famosas.

Já em 1785, Goya também retratou Pugs em suas pinturas.

Popularidade da raça Pug em outros países

À medida que a popularidade do Pug se espalhava por toda a Europa, a raça passou a ser conhecida por outros nomes em diferentes países.

Por exemplo, na França, chamava-se Carlin; na Espanha Dogullo; na Alemanha Mops; e na Itália, Caganlino.

Enquanto isso, Marie Antoinette tinha um Pug chamado Mops antes de se casar com Louis XVI aos 15 anos.

Semelhantemente, outra famosa francesa, Josephine Bonaparte, tinha um Pug chamado Fortune.

A saber, antes de se casar com Napoleão Bonaparte, Josephine Bonaparte ficou confinada na prisão de Les Carmes.

Então, como seu amado Pug era o único “visitante”, ela ocultava mensagens na coleira dele para levar para sua família.

Categorias da Raça Pug

Antigamente, no início de 1800, os Pugs foram padronizados como uma raça, com duas linhas se tornando dominantes na Inglaterra.

A saber, uma linha foi chamada de Morrison e, segundo informações, foi fundada nos cães reais da rainha Charlotte, esposa de George III.

Já a outra linha foi desenvolvida por Lord e Lady Willoughby d’Eresby e foi fundada em cães importados da Rússia ou Hungria.

Enquanto isso, na China, os Pugs continuavam sendo criados pelas famílias reais.

Quando os britânicos invadiram o Palácio Imperial Chinês em 1860, eles descobriram vários Pugs.

Assim, trouxeram alguns dos cachorrinhos de volta à Inglaterra com eles.

Como surgiu o Pug que conhecemos atualmente

Curiosamente, dois Pugs chamados Lamb e Moss foram trazidos para a Inglaterra.

Então, essas duas linhas chinesas “puras” foram criadas e produziram um filhote chamado de Click.

A este filhote, foi creditado a evolução da raça, moldando o Pug moderno como o conhecemos hoje.

No início, os Pugs eram muito populares, mas na virada do século, o interesse pela raça diminuiu.

Todavia, alguns criadores dedicados continuaram reproduzindo e, depois de alguns anos, a raça recuperou popularidade.

Reconhecimento da Raça Pug

De fato, a rainha Victoria tinha muitos Pugs, fazendo questão da cuidar da criação dos mesmos.

De forma interessante, os Pugs foram introduzidos nos Estados Unidos após a Guerra Civil.

Já em 1885, a raça foi reconhecida pelo AKC – American Kennel Club.

Historicamente, no ano de 1931 foi fundado o Pug Dog Club of America, reconhecido pelo AKC.